Se meu Deus não existisse

Se meu Deus não existisse
Preferia simplesmente não viver
Invocaria imediatamente o diabo
E satisfaria todos os meus prazeres e vontades

Se meu Deus não existisse
Jamais me obrigaria a te amar, sob nenhum pretexto
Eu não teria parte com os homens
E não precisaria esconder o meu desprezo

A diferença entre vocês e os que matam crianças
É a necessidade e a oportunidade, ou ainda – a conveniência
Se meu Deus não existisse
Desfar-lhes-ia em tiras

Se não devesse a meu Deus
Cuspir-lhes-ia em rosto a cada recolhimento de catarro na boca
Arrastar-me-ia até o centro da cidade
E como tantos outros me jogava do alto do Edifício Asa

Se meu Deus não existisse
O ser humano, que é feito de papel
Nunca choraria
Não de alegria
Nunca se ajoelharia
E uma folha de papel nunca pára de pé

Se meu Deus não existisse
Não sonharia noite e dia em segurar uma criança
Cuidar dela, sacrificar-me por ela
Olhar por momentos infinitos em seus olhos
E desfazer-me para que ela exista, e eu não

Entupir-me-ia de cocaína até o limite dos meus recursos
Destruiria todos os móveis da casa
E me autoflagelava para sentir algo que fosse

Eu fiz cortes profundos de faca em minha perna
E meses passados, ainda vejo as marcas
Fiz na perna porque podia esconder
Depois tive medo que me visses nu, e torci para que sarassem logo

Eu queria nunca ter existido
Mas depois de chorar por anos
De ser chamado de prostituta
Porque me entreguei às necessidades animais
Sabe,
Eu rezo noite e dia
Sabe a primeira coisa que faço quando acordo?
Eu peço em nome de todos os santos do céu
Para que te cases comigo
Eu queria segurar uma criança, e queria que fosse tua criança

Se meu Deus não existisse
Esganava-te até estares roxa

Como podes ser leviana e superficial como todos os outros
Quando és diferente e eu sei?

Eu sonho acordado
Eu tenho um bebê nas minhas mãos, em meus braços
Nada importa, os assassinos não existem
Ele me olha, e sorri
Eu nunca terei este bebê
Não posso trazê-lo sozinho, entenda, preciso de você
E você está ocupada demais

Cheio de amor este mundo, creia
De crianças e fuzis
E riem, riem
E o que mais me envergonha é que riem mais de minhas lágrimas, mais disto
Que eu não me preocupo mais em conter
E desejando a inexistência
Respiro
Respiro de novo
Seco o rosto
Porque meu Deus existe
Ele existe

Logo morrerei
Se eu achar graça diante de Teus olhos

Se meu Deus não existisse
Nada importava
Pois muito pouco importa agora
E ter a reputação de um mal-crescido faz-me jus
E ter a mãos vazias sem nada à mostra faz-me jus
Ter os dentes todos podres, certamente faz-me jus
Eu construí este estado de coisas, sem ter a quem culpar
E logo me despeço
Pois existe um limite humano para a tristeza e a solidão

Se meu Deus não existisse
Que vantagem me tiraria em não lhe tirar vantagem, na oportunidade diária
Quiçá a moral do ateu, desconheça a Lei Natural

Pro inferno contigo, diria eu
Que se afogue, que se perca

Deus decidiu que havia a dor
Ele fez a luz, e achou que era boa
Como então eu lanço fora a tristeza, se me põe como obrigação?
Não conhecesses meu coração, não estás me ouvindo?

Se meu Deus não existe, não há razão para nada
Eu podia lhe esfaquear agora mesmo
Não haveria represália, pois sem motivo os crimes não têm solução

Porque razão ficaria contigo até tarde da noite em horas de debate sobre a origem da moral?
Se não visse nos olhos da criança o vestígio da Criação

Tudo em bom tempo
Minha estação de lágrimas é longa, só isso
E nas garras da Morte, Liberdade

Sinais em toda parte
Um sorriso conserta um dia
E se um juiz humano
É capaz de aplicar o conceito de circunstâncias mitigantes
Que se dirá do Papai do Céu?

Você me vê acenando adeus?
Você acena de volta?
Eu podia congelar o teu sorriso num momento eterno
E viver aquilo, só aquilo

Eu vou sair para caminhar um pouco agora, é necessário
Outros sorrisos me farão esquecer momentaneamente você
É necessário
Depois em angústia só farei lembrar-me de tua leveza
Tudo em bom tempo

E depois, vendo filmes, chorarei quando o pai ausente finalmente chega e é recebido com um abraço apertado, sua esposa e seu bebê

Se meu Deus não existisse
Haveria uma certa facilidade em entregar-me à lascívia
Haveria muita facilidade
Mas se eu beijar outra boca carnuda que me sorri hoje à noite
Com que rosto enfrento a Ele na oração que farei por ti ao acordar?

A troco de quê te perdoaria o desrespeito
Enfrentaria a humilhação

Pra quê acordar mais cedo?
Ou comer o suficiente para ter saúde

Se meu Deus não existir
Certos estão os que põem as crianças por escudo

Os que vivem mais um dia

15/08/14

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s